Giant Gutter from Outer Space remains chaotic in Stumm

12961525_479933158872520_3475639626297676892_n
Hernan Borges and Johnny Rosa united for the first time 15 years ago, more or less (Photo by: Bruna Torrezani)

Important note: text written by a non-native english speaker. If you find any mistake, please leave us a comment!

First thing I asked Johnny Rosa, drummer for Giant Gutter from Outer Space (GGfOS, in short) was if they were going to do something slower in their new EP. Answer was: “I don’t know, we did not think about it. I’m curious to see if it is true”. Well, Stumm was released April 6th and here is your chance to opine about the new tracks, created by him and bassist Hernan Borges.

Continue Lendo “Giant Gutter from Outer Space remains chaotic in Stumm”

Literature, philosophy and stoner doom in Ruinas de Sade’s debut

12301457_1661776047403445_3874056741700221309_n
Here is Paulo, playing bass (Photo: Papoula Aniello)

Important note: text written by a non-native english speaker. If you find any mistake, please leave us a comment!

When I step inside the gate, I am welcomed by two very friendly dogs, which names I forgot to ask. In the second floor, Paulo Vitor Machado, bassist of brazilian stoner doom band Ruínas de Sade (“Sade’s ruins”, in english), waves at me and light one more cigarette. It’s the third pack of this week. When he was smoking the first or second, his band released it’s self-titlede debut, composed of three songs that goes around ten minutes each. Literature is there everywhere.

Continue Lendo “Literature, philosophy and stoner doom in Ruinas de Sade’s debut”

Literatura, filosofia e stoner doom em debut do Ruínas de Sade

12301457_1661776047403445_3874056741700221309_n
Esse menino aí no baixo é o Paulo (Foto: Papoula Aniello)

Ao chegar, sou recepcionado por dois simpáticos cachorros cujos nomes eu esqueci de perguntar. No segundo andar, Paulo Vitor Machado, baixista da banda Ruínas de Sade, acena pra mim enquanto acende (mais) um cigarro. Naquela mesma tarde ele terminou o terceiro maço da semana. Dias atrás, enquanto ainda fumava o primeiro ou segundo, sua banda lançou o disco de estreia.

Continue Lendo “Literatura, filosofia e stoner doom em debut do Ruínas de Sade”

Reflexive and sentimental debut of Erudite Stoner

cropudite-stoner[1]
Tripping is constant in Erudite Stoner work (Crop in artwork by Nando Freitas)
Important note: text written by a non-native english speaker. If you find any mistake, please write us a comment!

Erudite and stoner are words generally not related. It’s a proposital paradox that defines brazilian violonist Erudite Stoner. He brings two opposite sides to the same album, with balance and harmony. Instrumental parts are filled with sadness and hope, horror and joy, minimalism and complexity. All at the same time.

During the 34 minutes of this self titled, we are accompained only by the guitar of Matheus Novaes, the Erudite Stoner. He is responsible for composition and execution of the whole album. Release took place in 2015 and is his first work. In his own words, tracks combine classical influences with “dark doom and minimalist post-rock to riffs of stoner rock and melancholic shoegaze”.

Continue Lendo “Reflexive and sentimental debut of Erudite Stoner”

Funeral Sex é muito mais do que outra amostra da pesada mão feminina

12705683_1736942179873790_4378593454880313034_n.jpg
Baixista Thaís Pancheri quer reconhecimento por capacidade musical, não por “ser uma mulher no rolê” (Foto: Eder Cardoso)

Mulher, mãe, e doom pra cacete. A galera muitas vezes não se dá conta na primeira ouvida, mas Thaís Pancheri é responsável pelas linhas de baixo da paulista Funeral Sex. Neste texto, inclusive, estou violando uma das principais políticas da banda de Rio Claro (SP): não destacar a imagem feminina para que a atenção não seja uma “musa do stoner”, e sim o peso do som feito pela banda.

Desde o início, ela foi firme na decisão de não ser o centro das atenções do material audiovisual da Funeral Sex. “Queremos que as pessoas ouçam a música e gostem ou não, sem que a presença de uma mulher influencie a opinião”, explica ela. A estratégia foi utilizada para tentar evitar problemas parecidos com os que já vimos em outro texto.

Continue Lendo “Funeral Sex é muito mais do que outra amostra da pesada mão feminina”

Medos formam novo compacto do E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante

jjj
Sensação de vazio é presente nas duas faixas do EP (Corte em arte de Jaime Almeida)

O viajante som do post rock do E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante recebeu duas novas adições. Medo de Morrer | Medo de Tentar são faixas que se conectam pela temática, conceito e musicalidade. Elas foram liberadas no final de fevereiro e são mais uma amostra da habilidade instrumental dos paulistas.

Este é o sexto lançamento do grupo, que está em atividade desde 2013. O EP foi gravado e mixado por Gabriel Arbex, no Estúdio Superfuzz, e masterizado por Fernando Sanches no Estúdio El Rocha. O projeto gráfico é de Jaime Silveira. A banda é composta por Lucas Theodoro, Luccas Villela, Luden Viana e Rafael Jonke Buriti.

Continue Lendo “Medos formam novo compacto do E A Terra Nunca Me Pareceu Tão Distante”

Stoned Union Doom lança coletânea para divulgar underground nacional

sud
Stoned Union Doomed Compilation é um tributo aos sons arrastados do Brasil (Corte em Reprodução de arte da SUD)

A Stoned Union Doomed lançou mais uma coletânea dedicada à música chapada brasileira. É a Stoned Union Doomed Compilation, que reúne 30 bandas em três horas de música. São artistas de várias vertentes desse tipo de som, desde as bandas mais psicodélicas até as lentas e arrastadas.

O capitão deste barco é Gustav Zombetero, que organizou esta e outras coletâneas à frente do Arrastado e Desacelerado, blog em que escreve sobre música. O Wall of Yawn trocou uma ideia com ele a respeito de divulgação, e da produção independente brasileira de modo geral.

Continue Lendo “Stoned Union Doom lança coletânea para divulgar underground nacional”