Giant Gutter from Outer Space continua caótico em Stumm

12961525_479933158872520_3475639626297676892_n
Hernan Borges e Johnny Rosa tocam junto há uns quinze anos, mais ou menos (Foto: Bruna Torrezani)

A primeira coisa que perguntei ao curitibano Johnny Rosa, baterista da Giant Gutter from Outer Space (GGfOS, pra economizar toques) foi se eles iam fazer algo na linha mais arrastada no novo EP da banda. A resposta foi: “Não sei, não paramos pra pensar nisso. Estou curioso pra saber se essa sua opinião procede”. Pois bem, Stumm foi lançado nesta quarta-feira (06) e aqui vai a primeira chance de opinar sobre as novas faixas do duo composto por ele e pelo baixista Hernan Borges.

A minha opinião inicial foi de que sim, o som estava mais lento. Foi o que pensei ouvindo Nowness, teaser liberado (e depois renomeado) pelos caras no Bandcamp. Me enganei. Correndo o risco de soar clichê, percebi que o caos continua regendo a composição da dupla. As músicas têm cara de não ter pé nem cabeça, mas aos poucos são organizadas na prática, conforme as faixas progridem. Não são rápidas e nem lentas, já que esses dois conceitos são simplistas demais para definir os sons que apresentam desde a estreia, em Set Adrift.

É até curioso que o EP se chame Stumm, verbete alemão traduzido como mudo, já que, em geral, GGfOS se propõe a ser barulhento. Além disso, é um poema de Kurt Schwitters, trazendo novamente referências literárias ao duo. Sturm (outra palavra alemã, desta vez significando tempestade) até começa devagar, mas dura pouco tempo. A faixa intercala melodias e harmônicos com riffs sujos e agressivos, em uma espécie de bipolaridade (olha aí o cara romantizando problema de saúde sério) musical. Ruinen (Ruínas) puxa mais para esse lado da desolação produzida pela distorção e habilidade de composição/técnica de Hernan.

12932589_477369422462227_4139764907376559694_n
Conversamos com o Johnny sobre origens e sonoridade da banda (Foto: Andreza Francisco)

Isso é mais ou menos o cotidiano criativo da dupla. “Você nunca vai escutar a mesma pegada no nosso som”, conta Johnny. “Por nos deixarmos levar pelo momento, pelos humores, pela diversão e pelo prazer de fazer o que fazemos, o som responderá a esses estímulos”. É o que rolou na série de apresentações da banda em São Paulo, em datas próximas às sessões de gravações no Family Mob. “De fato, não definimos um set para shows. Tocamos o que temos vontade, absorvidos pelo momento (e por umas e outras, claro)”, brinca.

O rolê por Sampa rendeu também a gravação – e composição em tempo recorde – das faixas. Stumm foi gravado pelo projeto Converse Rubber Tracks, o que significou acelerar todas as etapas do processo. Em duas semanas, as faixas estavam prontas. Foram no estúdio no final da manhã e à noite voltaram com o material pronto. O lançamento oficial fica por conta da Sinewave, Terranean Records e Splitting Sound Records.

12049358_477369742462195_2741527188111435322_n
Uma galera diz que os dois músicos tocam por quatro, e eu não duvido (Foto: Andreza Francisco)

Stumm é o primeiro de uma série de lançamentos programados para abril e maio. No meio de abril sai The Edge Within. O primeiro full é Black Bile, a ser lançado nos primeiros dias de maio. Duas das seis faixas estão disponíveis no BandCamp, pra dar uma aquecida.

Toda essa produção e alta qualidade musical só é possível por causa do entrosamento da dupla. Isso permitiu, inclusive, improvisações em Stumm, mesmo com o pouco tempo disponível de trampar nas faixas. Johnny Rosa e Hernan Borges se conheceram há vinte anos no underground da música extrema. “Tocamos juntos faz um bom tempo, talvez uns 15 anos. Acredito que isso tenha possibilitado que dialogássemos com certa fluidez”, descreve o baterista. Além da GGfOS, eles tocam juntos também no anmod, projeto de death-grind.

Vai ter coisa pra caramba acontecendo com a Giant Gutter from Outer Space nos próximos tempos, incluindo lançamentos físicos e turnê por vários estados. Acompanhe os caras pelo Facebook e Bandcamp, onde todos os sons estão disponíveis para stream e compra.